Especial Ilhas da Tailândia: Koh Samui

Chegamos a um momento importante da nossa viagem entre as ilhas da Tailândia: Saímos do lado Oeste do país, banhado pelo Mar de Andaman, rumo ao lado Leste, banhado pelo Golfo da Tailândia.

Para isso, cruzamos o país na horizontal em sua pequena porção ao sul. Saindo de Koh Phi Phi rumo à Koh Samui, a brincadeira nos custou 600 baht (~U$20) por pessoa, e é uma daquelas típicas viagens que trocamos de vários meios de transporte (barco, van, ônibus, songthaew, outro barco…), confiando nas pessoas que vão nos levando pra lá e pra cá de acordo com a cor do adesivo que temos colados com a gente, distribuídos pela agência de viagem.

Como sempre, vamos com medo acreditando que algo vai dar errado, que seremos extorquidos, roubados, que vão nos enganar ou não cumprir com o prometido. E como sempre, tudo dá certo no final, nos deixam do lugar combinado, sãos e salvos. É difícil confiar no método tailandês de transfer turístico, mas o danado sempre funciona. Sempre.

Saímos do porto e fomos direto para a praia de Chaweng, a praia principal de Koh Samui. E demos a sorte de chegar bem no dia da feirinha noturna, que tinha de tudo, até churrasquinho de crocodilo! Isso que é boas-vindas!

Koh Samui não é exatamente o lugar mais barato da Tailândia, longe disso. A ilha tem uma tradição com os resorts, que tomam boa parte de seu território. É um lugar que atrai um público mais maduro, então é natural que os preços sejam bem mais elevados. Por sorte encontramos o Embassy Lakeview, uma guesthouse localizada relativamente próxima da praia (e em frente à um laguinho bem sem-vergonha). O dono é o Luigi, um italiano bon vivant que não faz muita questão de estar presente para atender os hóspedes (!), mas ao menos faz um preço camarada: 415 baht (~U$13) reservando pela internet, e depois uns 350 baht (~U$11) negociando pessoalmente. O ventilador do quarto não dá vazão ao clima super quente, mas a gente encara mesmo assim.

O dia começa bem ensolarado, perfeito para explorar a praia de Chaweng.

A praia é bem bonitinha e surpreendentemente reservada. Ótima para descansar dos dias agitados na super povoada Koh Phi Phi.

Pausa para o fried ricefried noodle de cada dia:

Algo que nos surpreendeu desde o momento da chegada é que Koh Samui é bem grande para os padrões das ilhas da Tailândia. As distâncias são grandes e usar moto para se locomover por aqui é uma necessidade.

Alugamos a nossa por 150 baht (~U$5) e vamos explorar um pouco mais das praias mais afastadas. Buscávamos pela praia de Lamai, talvez a segunda praia mais famosa da ilha depois de Chaweng. Acabamos nos enveredando por um beco e chegamos à uma simpática e pequena praia.

De tão rasa, era impossível mergulhar, mas era o cenário perfeito que precisávamos para tirar um cochilo. Não é todo dia que se encontra uma praia tailandesa deserta e com sombra!

Um pouco mais a frente chegamos, enfim, a Lamai. Pareceu-nos bem menos desenvolvida que Chaweng, pra quem busca mais tranquilidade ainda. E a qualidade da praia em si também era melhor, mais funda e com uma quantidade normal de ondas, do jeito que gostamos.

Koh Samui é repleta de resorts, alguns até bem acessíveis, para a alegria de russos e chineses que invadem a ilha em busca de luxo a um excelente custo-benefício. O lado ruim é que essa quatidade exagerada de resorts às vezes esconde verdadeiras preciosidades.

Ainda de moto, tomamos coragem de estacioná-la perto de um resort e entramos em busca do acesso à praia. Foi a melhor decisão que tomamos!

Não fazemos ideia de qual é o nome da praia (e nem do resort!), mas garantimos que é uma das praias mais perfeitas que estivemos. Nem tão quente nem tão fria, super transparente, areia macia, profundidade média, ondas na medida certa… Era a “praia nas condições ideias de temperatura e pressão”!

Até hoje não nos perdoamos por não ter procurado saber o nome daquela praia, ou ao menos ter anotado o nome do resort.

Pegamos a motoca novamente e fomos de volta pra “casa”, curtir um pouco mais da outra praia – bem mais cheia. À noite, uma saidinha pelas ruas revela uma Koh Samui com muito mais a oferecer do que só praias: existem por lá excelentes ateliês e lojas onde artistas fazem verdadeiras obras de arte com uma qualidade incrível a preços módicos. Vale a pena conferir. Como é comum em toda a Tailândia, também há estabelecimentos vendendo roupas de praia bem bonitas e baratas também.

Não esperávamos absolutamente nada de Koh Samui – na verdade, nossa parada por lá era “apenas” para poder seguir mais facilmente de barco para as outras ilhas seguintes. E talvez justamente por isso nossas impressões foram as melhores possíveis.

Quem diríamos, acabamos nos apaixonando mesmo por aquela ilha turistona cheia de resorts. Dá até pra planejar se hospedar em um deles daqui a uns 20 ou 30 anos 🙂